MANUSCRITO - SENTENÇA DO JUIZ DA CIDADE DE ELVAS -1674. MANUSCRITO - SENTENÇA DO JUIZ DA CIDADE DE ELVAS -1674. MANUSCRITO - SENTENÇA DO JUIZ DA CIDADE DE ELVAS -1674.

MANUSCRITO - SENTENÇA DO JUIZ DA CIDADE DE ELVAS -1674.

Manuskript / Papierantiquität Zustand: Very Good
Verkäufer Livraria Castro e Silva (Lisboa, Portugal)

AbeBooks Verkäufer seit 19. Juni 2013 Verkäuferbewertung 5 Sterne

Verbandsmitglied: AILA

Anzahl: 1

Gebraucht kaufen
Preis: EUR 400,00 Währung umrechnen
Versand: EUR 23,00 Von Portugal nach USA Versandziele, Kosten & Dauer
In den Warenkorb legen

Beschreibung

Documento: Sentença de posse pela qual Manuel Fernandes Magro, vereador e juiz de Elvas, reconhece a João de Aboim Pessanha, morador em Beja, a posse de várias herdades sitas no termo de Juromenha, pertencentes ao morgado de seu pai, Álvaro de Aboim Pessanha, e vagas por morte deste. Elvas, 20 de Setembro de 1674. 6 fólios inumerados. De 30 x 21 cm. Manuscrito com 11 páginas (com cerca de 29 linhas em cada página) em papel de linho avergoado e com marca de água, escrito em português, em caligrafia de tabelião, a uma só mão, muito cursiva e com ligaduras entre as palavras - de difícil leitura: Transcrição: [fol. 1] + [título no topo, à esq.] Sentença de posse de || Joam de boim pesanha || morador na Cidade de Beja [continuação do título, à dir.] das herdades de joam || de Boim sitas no ter||mo da villa de juro||menha [corpo do documento] Manoel fernamdes Magro Vereador este || prezente anno e juis pella ordenasam || e nesta muito nobre e sempre lleall cidade || dellvas e seu termo et setera a todos os senhores || CoRegedores provedores ovidores jullga||dores juizes e mais justisas ofisais e pesoas || de todo este Reino e senhorios de portugall || a quem deante quem e donde quer e aos || quais esta minha Carta de sentensa tira||da proseso em forma for aprezentada he || o Conhesimento della com direito direita||mente deva e aja de pertenser e seu com||primento auto e exeCusam se pedir e Requerer || por quall quer meo modo e maneira || que seja faso saber em Como neste meu || juizo do gerall se trataram e por mim || gerallmente foram sentenseados huns au||tos de Cauza sivell de hua petisam que me || fizera joam de Bojm pasanha morador || na cidade de Beja sobre e em Razam do que || ao deamte no despacho desta se fara muito || mais llarga expresa e deCllarada men||sam e pellos ditos autos e termos delles || se mostrava entre outras muitas couzas ne||elles conteudas e deCllaradas que no ano || do nasimento de nosso senhor jesus xpo [fol. 1 v.] Xpo de mill seissemtos e setemta e quatro || anos aos vinte dias do mes de setenbro do || dito ano nesta cidade delluas e pouza||das do taballiam que esta fes paresera || manoell Rodriges emRiques morador nes||ta dita cidade e prioste do seleiro geral || e por elle llhe fora dada hua petisam || feita em nome de joam de Bojm pasanha || morador na cidade de Beja com huu des||pacho meu ao pee della posto Requerem||do elle Com ella o autorise e por ella llhe || fizese dele ganha a quall pestisam || o dito taballiam llhe tomaua e a autuava || e jumtava aos ditos autos e por ella se mos||trava dizer por escrito o dito suplequan||te o seguinte Dis joam de bojm morador || na cidade de Beja que sendo em des de setenbro || do Anno prezente de seissentos e setenta e coatro || annos tomou posse por seu proCurador o senhor || Manoel Rodriges emRiques das herdades cha||madas de Joan de voim que estam no termo || da villa de joromenha que partem hua Com || outra e Com herdade da Arengoza e Com as al||deias as quais sam do Morgado que uagou || por morte de seu Pai Alvaro do boim passanha || e o dito seu proCurador tomou as ditas posses || entrando em Cada hua das ditas herdades || passando por ellas coRendo lhe as limdas [fol. 2] limdas tomando teRa nas mãos deitando a pera || o ar e nas cazas delles entrou Abrindo e fechan||do as portas pondo as maos pellas paredes || e fazendo todos os mais actos Requezitos e ne||sesarios pera bem das ditas posses dizendo as || tomava em nome delle dito joam de Boim || pasanha por lhe pertenserem por morte do dito || seu pai as quais posses hua e outra tomou || quieta e pasificamente sem Contradisam de || pesoa Algua e porque quer ajuizar a dita posse || Pede a vosa merse seja seruido mandar se || lhe perguntem as testemunhas que se acharam || prezentes e Constando do Referido lhe julge || as ditas posses por boas e mande se lhe passe sua || sentensa e Resebera merse et setera segumdo || que tudo esto asim e tam compridamente || he o Conteudo e decllarado na dita pe||tisam do dito suplequante que sendo || me aprezentada e vista por mim nella || puzera o despacho do teor e modo seguinte || justifique e torne pera deferir Elvas uinte || de setembro mil e seissentos e setenta e Coatro || Magro et setera segundo se Continha em o dito || meu despacho o dito suplequante fizera || hua justifiquasam de testemunhas que || judisiallmente llhe foram perguntadas || comesadas e acabadas dentro no termo [fol. 2 v.] no termo da llei e o tresllado dellas de verbo || ad verbum he o seguinte Aos vinte dias do mes || de setenbro de mill seisentos e setenta ee || quatro anos nesta cidade dellvas e || pouzadas de mim taballiam ahi fransisco || teixeira da fonsequa emqueredor comigo || taballiam perguntou as testemunhas seguin||tes manoell fangeiro taballiam ho escreuj || domingos Rodrigues llaurador na herdade dos || montes juntos na de joam de mello termo || desta cidade dellvas testemunha jurada || aos santos evangellhos que pello enque||redor llhe foi dado sob carguo do quall || pormeteu fallar verdade de idade || que dise ser de Coremta e dos anos pouqo || mais ou menos e do costume dise nada || e perguntado elle testemunha pelo conte||udo na petisam do suplequante joam || de bojm pasanha que toda llhe foi llida || e decllarada dise elle testemunha que || he verdade que segunda feira que se com||tavam dez dias deste coRente mes de setem||bro desta prezente hera de mill e seis||sentos e setenta e quatro anos sendo pe||llas noue pera as des oras do dia manoell || Rodrigues emRiques morador nesta dita || cidade foi as herdades que chamam de || joam de Bojm e entrando em cada hua || dellas as paseou CoRendo llhe as llindas [fol. 3] llindas tomando teRa nas mãos deitam||do a pera o ar dizendo tomo posse das || duas herdades em nome e Como procurador || de joam de bojm pasanha morador na || cidade de Beja por a ele pertenserem || por morte do senhor allvaro de Bojm || pasanha e se foi as cazas das ditas herda||des e entrando nellas as possoiu abrim||do e fe. Buchnummer des Verkäufers 1312JC001

Dem Anbieter eine Frage stellen

Bibliografische Details

Titel: MANUSCRITO - SENTENÇA DO JUIZ DA CIDADE DE ...

Einband: No binding

Zustand: Very Good

Anbieterinformationen

Fine Old and Rare Books. By appointment only.

Zur Homepage des Verkäufers

Verbandsmitglied
Asociación Ibérica de Librerías Anticuarias
Verbandsmitglieder verpflichten sich, höchste Standards einzuhalten. Sie garantieren die Echtheit aller zum Verkauf angebotenen Objekte. Ihre Objektbeschreibungen sind sachkundig und genau, etwaig vorhandene Mängel oder Restaurationen werden offengelegt. Die Ansetzung der Verkaufspreise erfolgt nach akkurater Recherche. Alle Verkäufe werden stets fair und redlich abgewickelt.
Geschäftsbedingungen:

Normal comercial condition.

Please visit website for any more references: www.castroesilva.com

Versandinformationen:

Orders usually ship within 4 business days. Shipping costs are based on books weighing 2.2 LB, or 1 KG. If your book order is heavy or oversized, we may contact you to let you know extra shipping is required.

Alle Bücher des Anbieters anzeigen

Zahlungsarten
akzeptiert von diesem Verkäufer

Visa Mastercard American Express Carte Bleue

Bar Rechnung Banküberweisung